Não há insulto maior

680px-Albarracín_09
                       Albarracín, by José Luis Mieza

Você alcançou o delta, era uma calcinha de armarinho, o algodão já encharcado de vida. (…) Um sorriso de canto lhe acontece quando você lembra a selvageria daquela sua principal noite com ela; estavam como entre quatro paredes. Uma noite fresca e seca, e você não suportou e rasgou o decote da moça. Parece que a cidade inteira ouviu aquele barulho do tecido cedendo. Ava ofegante, olhando pra você, sua façanha, professor. E disse algo do tipo: “Não há insulto maior que um homem pode cometer a uma mulher do que rasgar seu vestido. Mas que isso excita, excita”.

Dênisson Padilha Filho. Onde demora aquele fogo dos teus olhos? In, O herói está de folga (Kalango, 2014, contos).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s